O que são probióticos?

De acordo com a definição da OMS, probióticos são microrganismos vivos que, quando consumidos em quantidades adequadas, podem conferir benefícios à saúde. Esses microrganismos são comumente bactérias e leveduras e estão naturalmente presentes no trato gastrointestinal humano, formando nossa microbiota intestinal, bem como em outros locais do corpo, como a boca, o pé ou, no caso das mulheres, também na vagina.

Características dos probióticos

Para que um probiótico seja considerado como tal, ele deve atender a uma série de características.

Rótulo com as características dos probióticos
  • Segurança: deve ser seguro: sem efeitos adversos.
  • Cepa probiótica: Ao escolher um probiótico, é melhor conhecer não apenas a espécie, mas também a cepa, pois nem todas as cepas exercem os mesmos efeitos no corpo.
  • Resistentes: Devem ser microrganismos resistentes às secreções gástricas e aos ácidos biliares para que possam chegar vivos ao local de ação e se fixar no epitélio intestinal ou vaginal.
  • Quantidade: a quantidade de probióticos por dose, geralmente expressa em milhões de ufc, deve ser suficiente para garantir o mínimo de viabilidade na zona de ação durante o prazo de validade do produto.
  • Estudos clínicos: devemos ter evidências científicas com estudos clínicos que apoiem as propriedades benéficas da cepa específica.
  • Rotulagem: o ideal é que indique a quantidade de cada probiótico, bem como o gênero, a espécie e a cepa, algo que muitos probióticos no mercado atual não indicam.

Os probióticos são usados há muito tempo como uma forma de melhorar a saúde intestinal e tratar distúrbios gastrointestinais. Foi demonstrado que esses microrganismos têm um efeito positivo no equilíbrio das bactérias intestinais, ajudando a manter uma microbiota intestinal saudável.

Os probióticos também estão disponíveis como suplementos, geralmente em cápsulas ou comprimidos, com uma combinação de bactérias e leveduras, mas também são comumente encontrados em alimentos fermentados, como iogurtekefirkimchi chucrute.

É importante observar que nem todos os probióticos são iguais; eles diferem de acordo com o gêneroa espécie e até mesmo a cepa de cada microrganismo, sendo que cada cepa tem efeitos diferentes no corpo. Portanto, é importante escolher um probiótico que atenda às necessidades individuais e procurar atendimento médico ou orientação farmacêutica antes de começar a tomar suplementos probióticos.

Probióticos e prebióticos

Os probióticos não devem ser confundidos com os prebióticos.

Os probióticos são microrganismos, bactérias e leveduras que têm um efeito benéfico em nosso corpo, enquanto os prebióticos são fibras dietéticas das quais os probióticos se nutrem.

Em resumo, um prebiótico é o alimento de um probiótico.

Para que são usados os probióticos e quais são seus benefícios?

Os probióticos têm inúmeros benefícios para a saúde e foram amplamente estudados nos últimos anos devido ao seu potencial para melhorar a função intestinal, promover a saúde geral e promover um estilo de vida saudável.

Mulher tomando um iogurte probiótico

Além disso, os probióticos também podem ser benéficos para outros aspectos da saúde. Foi demonstrado que algumas cepas probióticas têm propriedades anti-inflamatóriasantioxidantes antitumorais. Elas também modulam o sistema imunológico e previnem infecções.

Um dos principais benefícios dos probióticos é que eles podem ajudar a manter a microbiota intestinal equilibrada e saudável. Mas eles também são benéficos para a microbiota vaginaloral da pele, contribuindo para seu equilíbrio e estado saudável.

microbiota intestinal exerce grande influência sobre o restante do corpo por meio do eixo intestino-cérebro, que é uma conexão regulada neuronal e imunologicamente. Portanto, ter uma flora intestinal saudável e equilibrada fará com que todo o nosso corpo se sinta melhor, com um sistema imunológico mais forte e menor risco de infecções.

Alguns dos principais benefícios dos probióticos são:

  • Equilíbrio da microbiota: A microbiota intestinal é uma comunidade complexa de microrganismos que vivem no intestino e desempenham uma variedade de funções importantes e benéficas para o nosso corpo. Essa comunidade vive em equilíbrio, sem que nenhuma espécie cresça demais, mas se, por algum motivo, uma espécie começar a crescer fora de controle, ocorrerá um problema de disbiose, um desequilíbrio que precisa ser corrigido.
  • Os probióticos ajudam a restaurar esse equilíbrio saudável de bactérias no intestino, contribuindo assim para a saúde geral.
  • No caso de outras membranas mucosas, como a microbiota vaginal, elas também ajudam a manter o equilíbrio correto e a prevenir determinadas infecções comuns, como candidíase vaginal ou vaginose bacteriana.
  • Melhoria da saúde intestinal: os probióticos podem ajudar a manter uma microbiota intestinal saudável, o que contribui para uma melhor digestão e absorção de nutrientes no intestino. Eles também podem reduzir o risco de doenças e distúrbios gastrointestinais, como diarreia associada a antibióticos, constipação, doença inflamatória intestinal e síndrome do intestino irritável.
  • Reforço do sistema imunológico: algumas cepas probióticas demonstraram ter um efeito positivo sobre o sistema imunológico, aumentando a produção de anticorpos e a atividade das células imunológicas, o que melhora a capacidade do corpo de combater infecções e doenças.
  • Redução da inflamação: algumas cepas probióticas têm propriedades anti-inflamatórias, que podem ser benéficas no tratamento de doenças crônicas, como diabetes, doenças cardiovasculares ou até mesmo câncer, devido às suas propriedades antitumorais.
  • Saúde mental: Há algumas evidências que sugerem que os probióticos podem ter um efeito positivo na saúde mental. Eles são chamados de psicobióticos. Alguns estudos demonstraram que determinadas cepas de probióticos podem reduzir os sintomas de ansiedade e distúrbios comportamentais.

Em resumo, os probióticos proporcionam uma ampla gama de benefícios à saúde, desde a melhoria da função intestinal até o estímulo do sistema imunológico e a redução da inflamação.

Como os probióticos funcionam?

Os probióticos atuam no corpo de várias maneiras:

Por um lado, são bactérias benéficas que colonizam o intestino e substituem as bactérias patogênicas que causam infecções e outros problemas de saúde. Elas também têm a capacidade de produzir compostos antimicrobianos, como as bacteriocinas , que impedem a colonização do intestino por microrganismos patogênicos, reequilibrando assim a microbiota intestinal. Todas essas substâncias produzidas por esses microrganismos estão começando a ser chamadas de pós-bióticos.

Como os probióticos funcionam

Além disso, os probióticos podem estimular o sistema imunológico do corpo, ajudando a combater infecções e a reduzir o risco de doenças crônicas. Essas bactérias probióticas também sintetizam ácidos graxos de cadeia curta, necessários a algumas células intestinais para o processo de absorção de nutrientes.

No caso da microbiota vaginal, esses microrganismos produzem determinados ácidos que reduzem o pH da vagina a valores que impedem o crescimento de espécies patogênicas, como no caso de infecções causadas por Candidia albicans. Eles também são capazes de produzir peróxido de hidrogênio, que também impede a proliferação de microrganismos patogênicos.

Em geral, os probióticos têm o potencial de melhorar a saúde intestinal, fortalecer o sistema imunológicoapoiar a digestão e prevenir doenças crônicas. No entanto, é importante observar que os efeitos desses microrganismos podem variar de pessoa para pessoa e de acordo com a espécie e a cepa específica do probiótico.

Os probióticos são arriscados?

De modo geral, os probióticos são considerados seguros para a maioria das pessoas, mas não podemos dizer que eles são totalmente isentos de riscos, pois o estado de saúde do indivíduo, a dose e a cepa específica podem desempenhar um papel importante.

Em certos tipos de casos, como pacientes imunossuprimidos ou bebês prematuros doentes, pode haver alguns efeitos adversos, como algum tipo de infecção. Nesses casos, é importante consultar um especialista, especialmente se o paciente estiver tomando um medicamento imunossupressor.

Outros possíveis efeitos colaterais são gastrointestinais, com alguns episódios de gasesinchaço ou diarreia, que geralmente são leves e desaparecem após alguns dias.

Além disso, muitos probióticos são categorizados como GRAS (Generally Recognised as Safe) pelo FDA dos EUA e/ou QPS (Qualified Presumption of Safety) pela EFSA europeia, ou seja, eles têm a aprovação dessas organizações que permitem que a segurança dessas cepas probióticas específicas seja confirmada.

Finalmente, há cada vez mais documentação e estudos clínicos realizados em todos os tipos de populações, e podemos ver que os casos de efeitos adversos são realmente isolados.

O que são alimentos probióticos?

Alimentos probióticos são alimentos que contêm micro-organismos vivos benéficos que podem melhorar a saúde intestinal.

Alguns alimentos ricos em probióticos são:

  • Iogurte: o iogurte é um dos alimentos probióticos mais conhecidos e populares. O iogurte natural, sem adição de açúcar ou sabores, é a melhor opção.

Quando for à loja para comprar iogurte, verifique se o rótulo diz iogurte, porque você pode encontrar muitos leites fermentados, mas eles não são iogurte. Somente o leite fermentado com Lactobacillus delbrueckii subsp. bulgaricus e Streptococcus thermophilus pode ser chamado de iogurte.

alimentos probioticos
  • Kefir: o kefir é semelhante ao iogurte, mas tem uma consistência mais líquida. É rico em bactérias benéficas e também contém proteínas e cálcio.
  • Chucrute: o chucrute é uma preparação de repolho fermentado que é rica em probióticos. Ele também é uma boa fonte de vitamina C e fibras.
  • Kimchi: o kimchi é um prato coreano preparado com repolho fermentado, rabanete, alho, gengibre e outros temperos. É uma excelente fonte de probióticos e também contém vitaminas e antioxidantes.
  • Kombuchá: o kombuchá é uma bebida fermentada feita principalmente de chá adoçado e bactérias e leveduras benéficas. É uma boa fonte de probióticos e também contém antioxidantes.
  • Tempeh: o tempeh é um alimento fermentado à base de soja que é rico em proteínas, vitaminas e minerais. Também é uma boa fonte de probióticos.
  • Miso: o missô é uma pasta fermentada feita de soja e outros grãos, como arroz ou cevada. É uma boa fonte de probióticos e também é rica em proteínas, vitaminas e minerais.
  • Queijos: alguns queijos, como o cheddar, o gouda e o parmesão, também contêm bactérias benéficas.

É importante escolher alimentos probióticos naturais e não processados para obter os melhores benefícios à saúde. Também é aconselhável ter uma dieta variada que inclua alimentos probióticos para obter uma ampla gama de bactérias benéficas.

Suplementos probióticos

Suplementação de probióticos com alimentos

Os suplementos probióticos são produtos que contêm uma concentração de bactérias benéficas vivas na forma de cápsulas, comprimidos, pós ou líquidos. Alguns dos suplementos probióticos mais comuns incluem espécies dos gêneros Lactobacillus Bifidobacterium:

  • Lactobacillus acidophilus: um probiótico muito comum e uma das espécies mais conhecidas para a saúde intestinal e para melhorar situações de dor abdominal e diarreia, especialmente em crianças. Entre as cepas mais conhecidas estão La-14, HA-122, NCFM e Rossel-52.
  • Lactobacillus rhamnosus: outro probiótico bem conhecido para a saúde intestinal e infecções do trato urinário.
  • Nesse caso, uma cepa se destaca das demais: a cepa GG, a cepa mais estudada e com o maior número de pesquisas que a comprovam. De fato, o Lactobacillus rhamnosus GG é expressamente recomendado pela Organização Mundial de Gastroenterologia (WGO) e pela Sociedade Europeia de Gastroenterologia, Hepatologia e Nutrição Pediátrica (ESPGHAN).
  • Bifidobacterium bifidum: essa cepa de bactérias benéficas é encontrada naturalmente no intestino humano e tem estudos sobre a saúde digestiva e o sistema imunológico. Entre as cepas mais conhecidas estão a LMG 25628, Rossel-71 ou G9-1.
  • Streptococcus thermophilus: essa espécie é uma das espécies encontradas no iogurte. Ela está associada ao tratamento da diarreia e, em particular, da diarreia causada pela infecção por Clostridium difficile. As cepas mais importantes são LA104, HA-110 e LMG 26656.
  • Saccharomyces boulardii: esse microrganismo não é uma bactéria, mas uma levedura. Altamente recomendado para o tratamento de diarreia em crianças.

Origem dos probióticos

As origens dos probióticos remontam a mais de um século, quando o cientista e ganhador do Prêmio Nobel Elie Metchnikoff (1845-1916) descobriu que as populações que consumiam um tipo de leite fermentado tinham maior longevidade do que o restante da população.

Elie Metchnikoff, ganhador do prêmio Nobel, descobriu os probióticos
Elie Metchnikoff

Mais tarde, um pediatra francês, Henry Tissier, observou bactérias em forma de Y (ou seja, bífidas) nas fezes de bebês. Ele também observou que a quantidade dessas bactérias presentes no corpo era menor em crianças que apresentavam episódios de diarreia. Tissier conseguiu isolar essa bactéria de forma bífida, a Bifidobacterium.

Por outro lado, em 1917, o cientista alemão Alfred Nissle conseguiu isolar uma cepa não patogênica de Escherichia coli das fezes de um soldado alemão que, embora estivesse em uma área com alta prevalência de shigelose, ao contrário de seus companheiros, não teve diarreia.

Otros tipos de probióticos

Send this to a friend